Por que os pais precisam deixar que os seus filhos experimentem o fracasso

“A resiliência é desenvolvida através de altos e baixos ocasionais, e não apenas experimentando situações suaves e controladas enquanto passam pela infância.” – Judith Locke, psicóloga clínica

Assim que um bebê chega ao mundo, ele se torna o desejo inato de um pai de protegê-lo e apoiá-lo à medida que cresce. A vida muda completamente – agora, um indivíduo depende de você para crescer e se desenvolver de forma feliz. Essa nova responsabilidade não é um fardo, mas algo que você está disposto a fazer por amor. Porém, esta vontade de proteger seu bebê de qualquer dano não significa que você deva ir além dos limites e protegê-lo de qualquer possibilidade de contratempos ou fracasso, e sim deixar que ele falhe com segurança.

No entanto, permitir que seus filhos cometam falhas mesmo em um ambiente seguro não é tão simples quanto parece. Ao longo do tempo, muitos pais começaram a acreditar no conceito de "quanto mais, melhor”, por exemplo: fazer "mais" elogios, fornecer "mais" ajuda para que seus filhos não se sintam estressados, etc.

Embora eles tenham as melhores intenções, essas ações produzem um resultado contrário. Muitos pais têm dificuldade em ver seus filhos "falharem". E quem poderia culpá-los? Tudo o que você quer é ver seus filhos bem-sucedidos, então como ficar assistindo seu filho lutar? Como você pode deixar de intervir quando vê seu filho estressado, triste ou ansioso por não conseguir concluir uma tarefa?

O pai ideal é aquele que é envolvido e responsável, mas respeita a autonomia do seu filho. Embora possam se sentir desconfortáveis, os pais precisam deixar que seus filhos cometam erros. Deixá-los aprender com seus próprios erros e falhas ajuda no desenvolvimento da resiliência das crianças, que é uma parte essencial para a formação de um adulto confiante, feliz e bem-sucedido!

Já falamos sobre o tema da resiliência em posts anteriores, especificamente sobre a pesquisa de Carol Dweck em relação aos danos que certos tipos de elogios acarretam nas crianças.

Encher uma criança de elogios pode fazer mais mal do que bem. Pode parecer contraditório, mas elogiar a inteligência, os talentos e as habilidades das crianças demonstrou diminuir sua confiança. Os pais devem se concentrar em elogiar o esforço. Como demonstra a pesquisadora Carol Dweck, quando os pais elogiam a inteligência dos seus filhos, eles se tornam menos propensos a escolher tarefas desafiadoras e correr o risco de perder seu status de "inteligente".

De fato, foi demonstrado que as crianças mais felizes e bem-sucedidas têm pais que não fazem por elas o que são capazes de fazer por si mesmas. Uma parte crítica do crescimento é desenvolver um senso de autonomia, confiança e domínio. Por exemplo, se você tratar seu filho que anda como se ele não pudesse andar, você enfraquecerá sua confiança. Se você está sempre tentando proteger e resgatar os seus filhos, estará privando-os dos desafios, ou seja, eles estarão perdendo a oportunidade de desenvolver ferramentas que serão necessárias no futuro na hora de lidar com as difíceis e inevitáveis exigências da vida.

A melhor maneira de preparar seus filhos para os desafios da vida é proporcionar a eles oportunidades de desenvolver a resiliência dentro de um ambiente seguro, amoroso e solidário. Aqui estão algumas coisas que você deve experimentar:

  • Seja confiável, mas não intrusivo – Antes que seu instinto de proteção parental se instale, pergunte-se: será que o meu pequeno pode lidar com essa situação sozinho? Basta prestar atenção aos detalhes e estar ciente de todos os perigos. Uma criança que deseja fazer algo como escalar uma árvore deve ser autorizada a fazê-lo – a menos, é claro, que exista uma ameaça iminente, como uma colmeia de abelhas.
  • Envolva-o no processo de tomada de decisões – Antes de tomar uma decisão, reserve um tempo para apresentá-la ao seu filho. Não precisa ser uma decisão crítica; pode ser algo tão simples quanto escolher roupas. Ao deixar seu filho escolher sua própria roupa do dia, isso irá ajudá-lo a aprender o que o faz se sentir confortável e o que não. Você também pode pedir a ele para escolher o melhor caminho para ir para casa. Explique a diferença entre os dois caminhos e deixe seu filho escolher. No final, avalie o resultado de escolher uma rota ao invés da outra. Em outras palavras, forneça feedback sobre a decisão.
  • Seja paciente – Deixe seu filho resolver os próprios problemas. É muito comum os pais correrem para ajudar seus filhos quando estão com dificuldades – seja porque não têm tempo para esperar ou porque não gostam de vê-los lutando. De qualquer forma, você deve tentar deixá-lo resolver seus próprios problemas primeiro, ou se oferecer para fazer isso junto com ele. Seja amarrando os cadarços ou colocando leite em um copo. Seu filho pode precisar de algumas tentativas para conseguir amarrar os sapatos, ou mesmo derramar o leite algumas vezes, mas, ao dominar uma tarefa e se sentir capaz de descobrir as coisas por conta própria, ele desenvolverá sua autoconfiança.
  • Seja um modelo – Seu filho lhe observa todos os dias, por isso, é importante que você lide com seus próprios contratempos de forma elegante. Se você entrar em pânico toda vez que se atrasar ou perder o celular, não estará demonstrando habilidades saudáveis ​​de enfrentamento! Lembre-se de se responsabilizar quando esquecer algo. Mostre ao seu filho que os adultos cometem erros também e se responsabilizam por eles.

Um pouco de desapontamento pode realmente beneficiar seu filho – contanto que você o ensine a se recuperar e a lidar com o fracasso. Aprender a lidar com contratempos é como aprender a andar de bicicleta – você pode cair às vezes, mas você sempre se levanta. Ao aprender a lidar com o fracasso, o seu filho desenvolverá habilidades importantes que ele precisará para ter sucesso, como o pensamento criativo, a capacidade de resolver problemas e a resiliência emocional!

8 coisas que você deve saber antes de começar a amamentar

A amamentação pode doer inicialmente. Não vamos mentir. Nos primeiros dias, você pode sentir o que os especialistas chamam de “ternura extrema” – e o que algumas mães chamam de “dor”. Mas, quando encontrar a posição certa para o seu bebê, o desconforto deverá diminuir a cada mamada, desaparecendo completamente com o tempo. Seus mamilos precisam se adaptar, ficando menos sensíveis à dor e, dentro de 2 a 3 semanas, seu corpo se ajustará.

A melhor posição para amamentar. Na verdade, não há uma posição correta para a amamentação. Mas, provavelmente, enquanto você ainda estiver aprendendo, talvez seja mais fácil usar a mesma mão para os dois seios. Isso significa que você irá segurar seu bebê no colo para mamar em um peito, e, para mamar no outro peito, você irá segurá-lo debaixo do seu braço. *Se seu bebê tiver refluxo, é melhor escolher uma posição ereta.

Posso comer peixe? Talvez você tenha ouvido que o peixe contém mercúrio, uma neurotoxina conhecida que pode afetar o cérebro do seu bebê. Mas não se preocupe, pois, na maioria das vezes, os benefícios para a saúde superam os riscos! As exceções são o cação, o espadarte, o peixe-batata e a cavala. Esses peixes contêm os níveis mais altos de mercúrio, por isso, elimine-os completamente da sua dieta;

Posso consumir álcool? Talvez você queira tomar uma cerveja ou uma taça de vinho de vez em quando, afinal, você não fez isso por nove meses! Não há problema em tomar um copo dessas bebidas, mas você terá que esperar até que o álcool tenha sido eliminado do seu corpo para poder amamentar;

Posso tomar café? A cafeína também pode ser consumida em doses moderadas. Então, vá em frente e aproveite seu café da manhã, um chá da tarde ou até mesmo um refrigerante de vez em quando. Contanto que você limite sua ingestão de cafeína a não mais do que duas ou três xícaras por dia, você e seu bebê ficarão bem!

Uma almofada de amamentação é essencial. Quando seu bebê estiver agarrado no seu peito e mamando, você não vai querer parar porque suas costas estão doendo ou seus braços estão cansados. Uma almofada de amamentação pode salvá-la da dor! Ela irá ajudar você a posicionar seu bebê corretamente e ficar confortável;

Por quanto tempo eu tenho que amamentar? A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendam seis meses de alimentação exclusiva com leite materno e, após este período, complementar a amamentação com alimentos até os dois anos de idade, ou mais. Mas, no fim das contas, a última palavra é sua. Tudo dependerá de como você se sentir emocionalmente e das suas circunstâncias pessoais. Converse com o seu médico e o seu parceiro sobre quanto tempo você deseja amamentar;

A amamentação é um momento perfeito para fortalecer os laços afetivos! Ela não só irá proporcionar ao seu bebê uma boa nutrição, mas também dará a ele a oportunidade de relaxar e fortalecer os laços afetivos com você. Experimente conversar, cantar ou até mesmo ler um livro para o seu filho. Mesmo que o seu bebê seja recém-nascido, ele estará absorvendo habilidades linguísticas toda vez que você falar ou cantar.

Dicas para preparar o seu filho para a chegada de um novo irmão

Receber um novo bebê na família pode ser difícil para os irmãos. A rivalidade geralmente começa logo após a chegada do segundo filho ou, muitas vezes, antes mesmo de ele chegar. Na maioria das vezes, a criança mais velha reage tornando-se agressiva ou “regredindo” – agindo como um bebê (pedindo mamadeira, fazendo xixi nas calças, etc.). É essencial preparar seu filho mais velho quando você souber que está esperando um novo bebê, porque as crianças precisam saber o que esperar para se sentirem seguras, e precisam de tempo para se adaptar às mudanças.

Há muitas coisas que você pode fazer para tornar o processo mais fácil para todos. Aqui estão algumas delas:

  • Conte ao seu filho mais velho sobre a sua gravidez quando for contar a seus amigos. É importante que ele ouça isso de você, e não de outra pessoa!
  • Se quaisquer (outras) grandes mudanças estão previstas na vida dele, como mudar de cama ou de quarto, fazer o desfralde ou começar a ir à escola, planeje realizá-las antes da chegada do bebê.
  • Converse constantemente com o seu filho sobre o bebê novo que está chegando, dando a ele uma ideia realista do que esperar. Por exemplo, diga a ele que o bebê vai tomar muito do seu tempo, e que o bebê não poderá fazer muita coisa no começo!
  • Sente-se com o seu filho e veja fotos e vídeos de quando ele nasceu e de quando era um bebezinho. Isso o ajudará a entender melhor o que esperar.
  • Se for possível, visite amigos que tenham um bebê recém-nascido.
  • Deixe seu filho mais velho participar dos preparativos, tanto quanto for possível. Por exemplo, você pode deixar que ele escolha a primeira roupa do novo bebê entre duas opções.

Outra coisa que funciona: ler sobre isso para o seu filho. Os livros são ferramentas poderosas que ajudam as crianças a identificar e compreender novos sentimentos e situações. Eles provocam conversas entre você e seu filho sobre suas dúvidas, preocupações e sentimentos mistos sobre o novo bebê. Além disso, a leitura é uma ótima maneira de passar um tempo de qualidade com ele! Há muitos livros infantis incríveis sobre gravidez, adoção e novos irmãos. Dê uma olhada nestes:

“I’m a big sister!” / “I’m a big brother!”, de Johanna Cole: Eu pessoalmente adoro a maneira com a qual Johanna Cole conta essa história pelos olhos de uma irmã ou irmão mais velho. O livro fala sobre o que esperar de um novo bebê e lembra os irmãos mais velhos que eles também são especiais.

Quando o novo bebê chegar, lembre-se de que, embora pareça ideal, não é possível dividir seu tempo igualmente entre os seus filhos, porque os bebês novos exigem muito mais de você. O que você pode fazer é reservar um tempo especial para o seu filho mais velho. Tente passar pelo menos 15 minutos diários sem interrupções, deixando que ele escolha como gastá-lo.

Tem alguma sugestão de livro? Deixe-a nos comentários!

Blocos de montar e quebra-cabeças ajudam a melhorar as habilidades relacionadas à matemática

Embora brinquedos como quebra-cabeças e blocos possam não ser tão atraentes quanto os videogames ou eletrônicos, algumas evidências sugerem que as crianças que brincam com eles podem obter muitos benefícios cognitivos. Na verdade, a pesquisa mostra que tipos específicos de brincadeiras estão realmente associados ao desenvolvimento de certas habilidades cognitivas, o que significa que você deve prestar atenção em alguns brinquedos!

Um estudo realizado por pesquisadores do Rhodes College, em que os dados de 847 crianças foram examinados, mostrou que crianças que brincam com frequência (cerca de seis vezes por semana) com quebra-cabeças, blocos e jogos de tabuleiro tendem a ter melhor capacidade de raciocínio espacial. Curiosamente, outros tipos de jogo, como desenhar, andar de bicicleta ou brincar com jogos de matemática não foram associados ao desenvolvimento dessa habilidade. Outro estudo realizado pela psicóloga Susan Levine, da Universidade de Chicago, especialista em desenvolvimento de matemática em crianças pequenas, confirmou ainda que as crianças que brincam com quebra-cabeças desde cedo desenvolvem uma melhor capacidade visuoespacial.

Mas de que maneira ter uma melhor capacidade visuoespacial ajuda seu filho?

Ter a capacidade de transformar mentalmente formas é um fator importante para o sucesso posterior em certas carreiras relacionadas à matemática, tais como a ciência, a tecnologia e a engenharia. As descobertas desses estudos mostram que brincar com quebra-cabeças durante os primeiros anos pode ajudar a formar a base e se tornar uma possível ferramenta de intervenção para a melhoria dessa habilidade.

Além de incorporar blocos de montar e quebra-cabeças na rotina do seu filho, você pode experimentar algumas dessas sugestões para estimular sua capacidade visuoespacial:

1. Seja criativa ao usar os blocos

  • Envolva-se! Mostre ao seu filho como construir e criar coisas diferentes.
  • Utilize desafios como parte da diversão. Convide seu filho a tentar montar estruturas semelhantes àquelas que você vê em um livro ou na TV, ou até mesmo tentar replicar uma que você esteja fazendo.
  • Não se esqueça de incorporar diferentes brinquedos e acessórios para estimular ainda mais o jogo.

2. Use situações do dia a dia para praticar o pensamento espacial

As tarefas espaciais estão presentes em várias ocasiões. Você pode incentivar seu filho a reforçar sua capacidade visuoespacial fazendo perguntas como:

  • Que forma teremos se cortarmos o sanduíche lateralmente?
  • Todos esses itens caberão em uma só sacola?
  • Que rua devemos escolher para chegar em casa?
  • O prato fica embaixo ou em cima da mesa?

3. Use palavras que descrevam os conceitos espaciais

Dê ao seu filho atividades que permitam que ele utilize os conceitos espaciais, como quebra-cabeças e blocos de montar. Uma pesquisa feita pela Universidade de Chicago revelou que as crianças que ouvem seus pais usarem termos espaciais para descrever o tamanho e a forma dos objetos, e que as usam em sua interação diária, têm melhor desempenho em testes de capacidade visuoespacial!

Alguns termos espaciais que você pode usar em suas interações do dia a dia são: redondo, quadrado, inclinado, canto, embaixo, em cima, pequeno e grande.

4. Use gestos para reforçar o significado das palavras espaciais

Incorpore gestos ao usar palavras espaciais (grande, pequeno, alto, curto, círculo, retângulo, quadrado, curvilíneo, curvado, etc.) para ajudar seu filho a compreender a palavra. Por exemplo, se você está descrevendo para o seu filho a palavra "acima", movimente a sua mão o mais alto que puder.

5. Elogie o esforço do seu filho, não seus resultados.

Como falamos nos posts anteriores, elogiar os esforços de uma criança estimula sua motivação interna para aprender. Ao fazer elogios, tente dizer "Bom trabalho! Você acabou de montar esse quebra-cabeça!“, ou "Parabéns! Construir aquela fortaleza parecia muito difícil, mas você continuou tentando e conseguiu!”. Se você disser algo como: "Você é ótimo com os quebra-cabeças!", seu filho irá pensar que tem uma habilidade inata, e não algo que pode ser conseguido com esforço. Em vez de elogiar seus resultados, os pais devem elogiar suas estratégias, aprimoramentos ou esforços para ensinar a seus filhos que as habilidades intelectuais podem ser adquiridas. Dessa forma, eles se tornarão mais propensos a ver os desafios como oportunidades, e não como limitações.

Por fim, lembre-se de não pressionar demais o seu filho. As atividades devem ser desafiadoras o suficiente para que ele aprenda enquanto se diverte, mas não tão difíceis a ponto de deixá-lo frustrado. Avalie a confiança do seu filho e, quando perceber que ele domina a tarefa, você poderá começar a introduzir um pouco de desafio.

Como facilitar o desfralde com atividades divertidas

Minha tabela de desfralde

Como funciona?

Crie uma tabela da semana, como um calendário. Cada vez que seu filho usar o penico com sucesso, deixe-o colar um adesivo nessa tabela. No final do dia, com sorte, a tabela dele estará preenchida com adesivos, e ele verá que teve sucesso. Essa atividade simples poderá ajudar você a reforçar bons hábitos no desfralde, e irá incentivar o seu bebê a usar o penico.

Algumas dicas!

Seja criativa ao fazer a tabela do seu bebê. Você pode usar alguns dos personagens de TV ou dos livros favoritos dele para decorá-la. Lembre-se de que a ideia é envolvê-lo na atividade. Vocês podem até ir juntos a uma loja para comprar os adesivos e os materiais para decorar a tabela. Lembre-se de colocá-la em um lugar em que seu filho consiga vê-la, para que ele se sinta motivado a usar o penico.

É mágica!

Como funciona

Essa atividade é realmente útil para ensinar meninos a fazer xixi. Primeiro, tinja a água do vaso sanitário com corante alimentar vermelho ou azul. Então, quando o seu filho fizer xixi, ele verá que a água ficará laranja (se o corante for vermelho) ou verde (se o corante for azul). Essa atividade divertida irá incentivar seu filho a aprender como mirar!

Algumas dicas!

Ao tingir a água do vaso sanitário, certifique-se de usar cores que você sabe que irão se modificar quando seu filho usar o banheiro. Vermelho e azul funcionam perfeitamente!

O caminho para o penico

Como funciona?

Crie um caminho divertido que levará seu filho do quarto para o penico ou para o banheiro. Toda vez que ele sentir vontade de fazer xixi ou cocô, ele verá o caminho e se lembrará de ir ao banheiro

Algumas dicas!

Criar um caminho divertido é fundamental! Você pode tentar colocar pegadas para o seu filho seguir ou decorar o caminho com seus personagens favoritos. Tente fazer um caminho com cores brilhantes, para que ele também consiga segui-lo à noite.

Penico personalizado

Como funciona

Personalize o penico do seu filho com adesivos divertidos e glitter. Essa pode ser uma atividade divertida antes de iniciar o desfralde. Desde o primeiro dia, o seu filho irá adorar seu penico e ficará animado para usá-lo!

Algumas dicas!

Personalização é a chave para decorar o penico do seu filho! Tente usar as coisas favoritas do seu filho para decorá-lo, como cores, adesivos de seus personagens favoritos, e até mesmo o nome dele!

Li tudo sobre isso

Como funciona?

Livros podem incentivar seu filho a iniciar o desfralde. Por isso, é bom ler livros como "Toilet Learning ", de Alison Mack, ou "Once Upon a Potty", de Alona Frankel, para ajudá-lo a entender o processo. Usar livros pode realmente tornar o processo de desfralde mais suave, além de ser mais divertido para ele!

Algumas dicas!

Faça uma visita à livraria e peça para o seu filho escolher novos livros, mas deixe-o ler os livros sobre o desfralde apenas quando for ao banheiro. Você pode até mesmo fazer uma pequena prateleira no banheiro para esses livros especiais!

Quer mais ideias? Confira essas atividades de Huggies e Parents.com.