Category Archives: Papinhas e Alimentos Sólidos

Suco de frutas: novas orientações

O suco de fruta é uma bebida popular entre as crianças e os pais os adoram, pois hidratam e fornecem porções de frutas (importante especialmente para os bebês que rejeitam as frutas inteiras). Mas mesmo que o suco seja natural e feito a partir das frutas, ela é uma bebida que deve ser dada livremente para o seu bebê?

O suco de frutas foi liberado para o consumo com moderação a partir dos seis meses de idade, mas a Academia Americana de Pediatria (AAP) publicou recentemente uma mudança nessas recomendações, sugerindo que o consumo de suco comece apenas depois dos doze meses de idade.

Continue lendo

Introdução alimentar: método BLW (Baby-led Weaning)

Baby-led weaning (BLW), algo como o “desmame conduzido pelo bebê”, tem se tornado uma forma muito popular de alimentar os bebês com sólidos. BLW propõe um método alternativo à introdução tradicional de alimentos complementares. Com este método, os bebês usam suas mãos para explorar a comida e se alimentar, ao invés de serem alimentados com colher e papinhas.

Continue lendo

Socorro! Meu filho é difícil para comer

Se você tem um filho com mais de 12 meses de idade, você pode ter notado que o apetite dele diminuiu, suas escolhas alimentares se tornaram mais seletivas e ele fica agitado quando come. Isso é muito comum, e geralmente ocorre quando as crianças começam a adquirir e desejar a independência. Além disso, o crescimento, que é espantoso durante o primeiro ano de vida, começa, então, a desacelerar. Por isso, alguns dias você notará que seu bebê se alimenta bem, enquanto, em outros, parece que ele não come nada. Você pode achar que seu filho é enjoado para comer – no entanto, na maioria das vezes, o fato é que ele se interessa mais por brincar e explorar do que por comer.

A diminuição em seu ritmo de crescimento e seu interesse em brincar não são os únicos fatores que fazem com que as crianças se tornem enjoadas para comer. Pesquisadores em psicologia e nutrição identificaram que os genes também podem desempenhar um papel na rejeição de alimentos. O medo de experimentar novos alimentos pode estar relacionado ao temperamento do seu filho. No entanto, isso não significa que o comportamento dele não possa ser modificado. Então, o que fazer? Primeiramente, respire fundo e, então, siga as 11 dicas a seguir para garantir que as refeições não se tornem um campo de batalha.

  1. Lembre-se de respeitar o apetite do seu filho. Algumas vezes, ele pode estar com fome e, em outras, não. Não o force a comer se ele não quiser. Especialistas em nutrição e psicologia descobriram que acabar com toda a comida no prato quando não se está com fome pode levar a distúrbios alimentares ou obesidade no futuro.
  2. Estabeleça uma rotina e horários para as refeições, e tente cumpri-los. Desta forma, seu filho poderá esperar pelas refeições em horários específicos do dia.
  3. Convide seu filho para ir ao supermercado com você e descreva os alimentos ao seu redor. Fale coisas positivas sobre eles. Deixe seu filho escolher frutas e legumes com a sua ajuda. Desta forma, você estará expondo-o a alimentos saudáveis ​​sem que ele sinta a pressão para experimentá-los.
  4. Seja paciente quando for servir novos alimentos. Tente incentivar seu filho a provar a comida enquanto a descreve, em vez de simplesmente afirmar que ela é gostosa. Lembre-se de que a apresentação é muito importante, e pode convencer seu filho a experimentar ou rejeitar um alimento. Não desista, pois, às vezes, você precisará apresentar a mesma comida de 7 a 15 vezes antes de o seu filho resolver experimentá-la.
  5. Ao introduzir um novo alimento, lembre-se de acompanhá-lo com uma comida saudável que o seu filho já goste. Por exemplo: se ele gosta de espaguete puro, adicione um pouco de espaguete com molho de tomate ao lado. Se ele preferir não comer o resto, não se preocupe – pelo menos ele provou ou teve alguma exposição ao alimento.
  6. Minimize as distrações e mantenha as refeições breves, para que seu filho possa continuar brincando em seguida.
  7. Ofereça o alimento em várias apresentações: se você já serviu cenouras cruas, experimente servi-las cozidas. Corte sanduíches em formas divertidas ou sirva ervilhas congeladas. Às vezes, essas mudanças simples podem fazer com que o seu filho coma um alimento que ele rejeitou em outro momento.
  8. Se seu filho recusar uma refeição, não vá correndo preparar uma nova. Ao invés disso, tente sempre servir várias opções, entre elas, uma comida que você sabe que ele gosta.
  9. Certifique-se de que o tempo à mesa seja agradável, e faça com que seu filho veja você comendo os mesmos alimentos saudáveis ​​com prazer.
  10. Não alimente seu filho com muito leite ou lanches entre as refeições, pois isso pode interferir na fome dele.
  11. Por fim, não ofereça sobremesa como recompensa. Isso irá apenas reforçar a crença de que a sobremesa é mais desejável que a comida.

Esperamos que essas dicas ajudem a manter a paz na hora das refeições. Lembre-se de que você tem controle sobre quando e quais alimentos você oferece ao seu filho, e que ele tem controle sobre comê-los ou não. Dê tempo a ele, e continue oferecendo opções de alimentos saudáveis em todas as refeições.#

Se você está preocupada com a quantidade de comida que o seu filho come, mantenha um diário alimentar. Isso pode lhe dar uma perspectiva objetiva da ingestão geral dele. Se você acredita que a saúde do seu filho está em risco devido à falta de comida, não deixe de entrar em contato com o seu pediatra. Ele pode lhe dar mais assistência e, se necessário, prescrever um suplemento dietético.

Como alimentar meu filho que tem muita energia

Nesta fase de desenvolvimento, as crianças têm uma quantidade incrível de energia, tanto que parece que nunca se cansam! Claro, cada criança é diferente, e algumas são mais ativas do que outras, mas todas precisam de uma dieta saudável para continuar crescendo e explorando ativamente o mundo ao seu redor.

Desde que seu bebê aprendeu a engatinhar e andar, o acesso ao ambiente aumentou, facilitando a movimentação para as áreas que chamam a atenção dele. Com isso em mente, sabemos que as crianças não querem ficar paradas. No entanto, é muito importante manter suas barrigas cheias, mesmo que elas, às vezes, pareçam se esquecer de que precisam comer.

Como devo alimentar meu filho nesse estágio?

É importante enfatizar que, apesar de o seu filho ainda estar crescendo, isso não acontece na mesma velocidade do que durante seu primeiro ano de vida. Com isso em mente, lembre-se de que é normal que ele perca o interesse pela comida ou que prefira brincar em vez de comer. Da mesma forma, pode parecer que ele tem um apetite insaciável em alguns dias, enquanto, em outros, o apetite parece inexistente. Isso é completamente normal. Desde que seu filho continue a crescer e esteja feliz, não há problema. No entanto, se você perceber que seu bebê não está ganhando peso ou parece não ter energia, não deixe de entrar em contato com seu pediatra.

Além disso, neste estágio, seu bebê provavelmente está aprendendo a comer sozinho com talheres. Esta é uma excelente oportunidade para aumentar a independência do seu filho. Pequenos pedaços de macarrão, frango desfiado ou outros alimentos que possam ser cortados em pedaços pequenos e que sejam fáceis de pegar com uma colher ou um garfo são ótimas opções para ele praticar comer sozinho.

No entanto, fazer com que seu filho experimente novos alimentos não é o único desafio que pode surgir. A imensa energia que as crianças têm pode dificultar que elas se sentem e comam. Por isso, às vezes, você pode acabar optando por alimentar seu filho enquanto ele brinca ou anda pela casa. Entretanto, isso não é recomendado. É importante e mais seguro ensinar as crianças que comemos à mesa. Diga a seu filho que, quando terminar, ele poderá continuar brincando. Se seu filho come com a família, envolva-o nas conversas, e lembre-se de elogiá-lo por seus esforços, para que ele se sinta motivado a continuar comendo na mesa.

Além disso, lembre-se de oferecer alimentos ricos em ferro durante as refeições. Legumes, carne, peixe, frango e cereais enriquecidos com ferro são ótimas opções. Da mesma forma, limite o consumo de leite a não mais do que três copos por dia, para que seu bebê sinta fome o suficiente para comer outros alimentos. Neste estágio de desenvolvimento, o corpo e o cérebro do seu bebê precisam de alimentos que contenham gordura. Por isso, não ofereça opções com baixo teor de gordura, a menos que seu médico recomende que você faça isso. Por fim, não há problema em adicionar uma pitada de sal nas refeições do seu filho e dar a ele a mesma comida da família.

Comida para bebê: caseira ou industrializada?

Como esse mundo dos alimentos sólidos para bebês é novo para você, talvez você esteja se perguntando se é melhor preparar as papinhas em casa ou comprá-las já prontas no supermercado. A verdade é que não há resposta certa. Você pode fazer as duas coisas, e até combinar essas duas opções. Preparar a comida em casa é uma ótima maneira de alimentar seu bebê, pois os ingredientes usados estão fresquinhos. No entanto, às vezes, essa tarefa parece impossível.

Se você tiver a oportunidade de preparar a comida do seu bebê em casa, saberá exatamente cada ingrediente que ela contém, e poderá envolver seu bebê nas refeições da família – certificando-se de que a comida dele esteja na consistência de papinha. Mas, como nem sempre é possível cozinhar todos os dias, uma boa saída é escolher um dia específico para preparar várias receitas diferentes e congelá-las. Assim, você poderá descongelar uma porção de cada vez e guardar o resto para mais tarde. Isso pode ser muito eficaz e mais barato do que comprar papinhas industrializadas, mas requer tempo, organização e preparação.

Preparar comida em casa requer uma higiene impecável. Certifique-se de manter todos os utensílios e equipamentos muito limpos. Se você não tiver tempo ou inspiração para cozinhar, não há problema em comprar as papinhas no supermercado. Você só precisa garantir que a papinha:

  • Seja feita com ingredientes naturais;
  • Não contenha açúcar ou substitutos de açúcar;
  • Tenha baixo teor de sódio (ou nenhum sódio);
  • Não contenha conservantes.

A maioria das papinhas que você encontra no supermercado é de excelente qualidade, apenas verifique se elas atendem aos requisitos indicados acima. Comprar papinhas industrializadas oferece conveniência e praticidade de armazenamento, além de ser bastante útil para as situações em que você vai viajar, precisa sair de casa ou não tem comida pronta. Com isso em mente, os pediatras recomendam que você alimente seu bebê com papinhas industrializadas ocasionalmente, para que ele se acostume com o gosto delas e para evitar que ele as rejeite quando elas forem sua única opção de alimento. Por outro lado, se você compra papinhas industrializadas com frequência, tente oferecer papinha caseira ao seu bebê de vez em quando, para que ele se acostume a comer comida caseira com sua família.

Como uma dica final, sirva a porção de comida que seu filho irá comer em um prato separado, para evitar a contaminação do alimento que ele não comer. Dessa forma, você poderá armazenar as sobras na geladeira por até 48 horas, e usá-las em outra refeição.

Desmame: Com quais alimentos devo começar?

A introdução de alimentos sólidos na dieta do seu bebê pode trazer muitas dúvidas e preocupações. O processo pode se tornar um pouco confuso com tantas informações diferentes vindas de artigos, livros, amigos e familiares. Por isso, gostaríamos de esclarecer alguns dos mitos relacionados à introdução de alimentos sólidos.

Um desses mitos é que é necessário começar com cereais. A maioria das pessoas começa com cereais integrais, mas não há evidências científicas que sugiram que a introdução de alimentos sólidos em uma determinada ordem seja melhor para o seu bebê. Também é muito comum ouvir que, se você começar dando uma fruta ao seu filho, ele se recusará a comer legumes mais tarde –  novamente, não há evidências científicas que comprovem ​​isso. A verdade é que você pode começar com praticamente qualquer alimento! Você pode até começar com papinha de carne – algo que era impensável no passado! Graças a pesquisas recentes, recomenda-se, inclusive, que a carne seja um dos primeiros alimentos sólidos a serem oferecidos para os bebês, já que ela fornece a quantidade de ferro necessária neste estágio. Depois que completam seis meses, os bebês perdem suas reservas de ferro – por isso, é importante oferecer a eles alimentos ricos nesse mineral, como carne vermelha e cereais fortificados com ferro.

Da mesma forma, é importante apresentar seu bebê a uma ampla variedade de alimentos saudáveis e ricos em nutrientes, contanto que você se certifique de oferecer a ele cada alimento individualmente por três dias consecutivos, de modo a descartar alergias. Tenha em mente que seu filho está aprendendo a comer e, por isso, a textura e os sabores dos alimentos são novos. Não desanime se o seu filho não quiser comer algo em particular, isso é muito normal. Apenas tente novamente mais tarde! Às vezes, é preciso oferecer um alimento a ele de 10 a 15 vezes antes que ele o aceite. Por isso, é importante continuar oferecendo a ele uma colher de chá de alimento de cada vez, em uma consistência de papinha (um purê bem ralo, quase líquido). Seu filho está começando a aprender a comer, de modo que os alimentos em pedaços, ou mesmo em forma de um purê mais espesso, serão difíceis de engolir. Conforme seu bebê for se acostumando com os alimentos sólidos, você poderá mudar gradualmente a consistência da comida.

Introdução a alimentos sólidos: lanches saudáveis

Quem não gosta de fazer lanchinhos? Eles são deliciosos, muito fáceis de preparar e ajudam a equilibrar a quantidade de nutrientes necessária para a dieta do seu bebê. Se você acha que seu filho não come o suficiente no café da manhã, no almoço ou na jantar, um lanche saudável pode servir como complemento nutricional. Por outro lado, seu bebê pode ter um apetite saudável e comer muito bem, mas, ainda assim, sentir fome entre as refeições. Lanches saudáveis ​​são uma ótima maneira de manter seu filho feliz e satisfeito. Ofereça de dois a três lanches todos os dias, estabelecendo bons hábitos alimentares. Com uma pequena porção, seu bebê provavelmente ficará satisfeito, e isso o impedirá de rejeitar todo o lanche e permitirá que ele chegue à hora do jantar com entusiasmo.

Como faço para introduzir lanches saudáveis?

É melhor fazer isso sempre nos mesmos horários. Dessa forma, seu filho aprenderá a se antecipar e se preparar para comer nesses horários. Apesar disso, haverá dias em que ele não comerá o lanche inteiro – ele pode estar sem fome ou não gostar do lanche. No entanto, tente continuar oferecendo os lanches nos mesmos horários, para evitar confusão na rotina do seu filho. Ofereça lanches saudáveis ​​e dê ao seu bebê a oportunidade de escolher um, se ele pedir. Deixe-o escolher entre duas ou três opções saudáveis.

Evite dar doces e guloseimas para o seu bebê, pois eles não acrescentam valor nutricional à dieta. Você não precisa proibir completamente esses alimentos – ofereça-os em ocasiões especiais, como aniversários ou festas. Apenas lembre-se de não oferecê-los frequentemente ou como recompensa. Assim, seu filho logo entenderá que esses alimentos devem ser consumidos apenas de vez em quando.

Pouco apetite: crianças enjoadas para comer

Muitas crianças são difíceis quando se trata de comer. Se você está passando por isso, temos boas notícias – é totalmente normal! Desde que seu bebê continue a se desenvolver em um ritmo saudável e feliz, não há muito com o que se preocupar. De fato, após o primeiro ano, o crescimento diminui e as crianças não precisam de tanta comida. Além disso, o desenvolvimento cognitivo e físico das crianças as torna mais interessadas em brincar e explorar, e menos interessadas em sentar e comer.

Uma das razões pelas quais as crianças são difíceis e se negam a comer é porque buscam a independência, e recusar alimentos lhes dá uma sensação de escolha. As crianças querem escolher o que e quanto comer, e nem sempre têm apetite; por isso, às vezes, comem muito bem, e em outras vezes, parecem não comer nada. Devemos respeitar a escolha delas de comer ou não, mas lembre-se de que somente você tem controle sobre que alimento oferecer e a que horas.

É importante oferecer opções saudáveis ​​nas refeições, e continuar apresentando novas opções, pois pode levar de 10 a 15 tentativas para que uma criança goste de um alimento específico, ou até mesmo tente experimentá-lo. Além disso, ao oferecer novas opções, lembre-se de apresentá-las em pequenas quantidades, e junto com alguma comida que você já saiba que o seu filho gosta.

Cada criança é diferente, e pode haver diferentes razões pelas quais elas não queiram comer ou experimentar novos alimentos. Com isso em mente, neste artigo, apresentamos diferentes perfis de crianças que se recusam a comer e dicas sobre como alimentá-las.

Se seu filho é sensível ao gosto, cheiro ou textura:

  • Apresente opções saudáveis, juntamente com alimentos que você já sabe que ele gosta;
  • Ofereça novos alimentos gradualmente, lembrando que pode levar de 10 a 15 tentativas até que ele prove algo novo;
  • Preste atenção aos alimentos e texturas que incomodam seu pequeno e tente servir a mesma comida com uma preparação diferente da próxima vez.

Se ele tem um temperamento forte e não quer experimentar ou comer certos alimentos:

  • Sirva os novos alimentos junto com a comida que seu filho já gosta. Incentive-o a tocar, cheirar ou experimentar novos alimentos;
  • Resista à vontade de preparar comida especial para o seu filho, mas certifique-se de que, em cada refeição, tenha algo que ele goste. Sempre tente dar a ele o que o resto da família está comendo, mas em pequenas porções;
  • Ofereça a ele molhos saudáveis, ​​como iogurte natural, homus ou manteiga de amendoim, para incentivar seu filho a comer frutas e legumes;
  • Envolva seu filho nos aspectos simples da culinária, para que a comida chame sua atenção e desperte seu interesse;
  • Lembre-se de expô-lo gradualmente a novos alimentos, e mantenha a calma se seu filho não quiser prová-los.

Seu filho pode parecer difícil para comer, mas o que ele realmente quer é se alimentar. Neste caso, você pode:

  • Oferecer petiscos durante as refeições;
  • Deixar que seu filho segure os talheres, mesmo que ele ainda não tenha uma boa coordenação olho-mão;
  • Perguntar ao seu filho como ele quer que a comida seja servida no prato dele.

Seu filho é muito ativo e não gosta de parar de brincar para se sentar e comer:

  • Não chame seu filho para comer até que o prato dele esteja pronto;
  • Tente fazer cada refeição brevemente.

Como incluir meu bebê nas refeições da família

Seu bebê já cresceu muito – este é um ótimo momento para começar a incluí-lo nas refeições em família! Apesar de não estar pronto para comer tudo o que sua família come, seu bebê pode começar a experimentar diferentes texturas, consistências e sabores. Ele pode experimentar pequenos pedaços da mesma comida que os outros estão comendo, desde que a adição de sal ou açúcar seja limitada. Também é um bom momento para introduzir a colher e o copo, se você ainda não fez isso. Sentado ao redor da mesa, seu bebê poderá ver os demais membros da família comendo com talheres e bebendo em copos, e não há nada mais excitante para um bebê do que poder imitar seus pais.

Incluir seu bebê nas refeições em família pode parecer muito trabalhoso, mas você pode fazer isso gradualmente, à medida que seu bebê se adapta à rotina. Você pode começar alimentando seu bebê e, quando ele adquirir mais destreza e for capaz de se alimentar sem ajuda, você pode incluí-lo na mesa e deixá-lo comer junto com o restante da família. Você também pode tentar fazer isso em uma das refeições do dia e, gradualmente, incluí-lo nas demais refeições.

Quais são os benefícios de incluir seu bebê nas refeições familiares?

  • Aprender com os outros. Seu bebê irá observar como seus pais ou irmãos comem. Ele verá como todos usam seus talheres e reagem positivamente à comida durante as refeições.
  • Ele poderá provar novos alimentos, e até se interessar mais por eles.
  • Finalmente, seu filho começará a aprender boas maneiras à mesa. Ele verá que precisa esperar sua vez de falar, aprenderá a dizer “por favor” e “obrigado”, e até a mastigar de boca fechada. Aos poucos, ele aprenderá cada vez mais por meio da observação e da imitação.

Como faço para adequar a refeição da família para o meu filho?

  • Prepare a receita do mesmo jeito que você sempre faz, mas separe uma pequena porção para o seu filho antes de temperar;
  • Corte a comida do seu bebê separadamente também, de acordo com a textura desejada. Lembre-se de que, apesar de o seu bebê não ter todos os dentes, as gengivas dele são mais fortes do que você pensa. Contanto que a comida possa ser facilmente dissolvida em sua boca, não há razão para adiar a introdução de mais texturas;
  • Lembre-se de oferecer um tipo de comida que você saiba que seu filho gosta, se ele for difícil para comer;
  • Converse com seu bebê e envolva-o na conversa. Embora ele não fale ainda, ele vai adorar interagir com você;
  • Tenha em mente que seu filho nem sempre vai querer terminar toda a comida que você oferecer a ele. Deixe-o escolher o que ele mais gosta entre as opções que você lhe dá e resista ao impulso de se levantar e preparar algo especial se ele não quiser comer nada;
  • Faça refeições curtas ou deixe seu filho brincar perto de você quando ele terminar de comer. Nessa idade, ele provavelmente não vai querer ficar sentado por muito tempo no mesmo lugar.

Quanta comida é suficiente para o meu filho?

Ao introduzir alimentos sólidos, é importante encontrar um equilíbrio entre a energia que o corpo necessita e o consumo de alimentos. Quando você iniciar a introdução alimentar, comece com pequenas quantidades de comida para ir acostumando seu bebê a essa nova maneira de comer. Como a quantidade inicial de sólidos é pequena, ela pode ser complementada com leite. À medida que seu bebê se acostuma, você sempre pode aumentar a quantidade de alimentos sólidos que você oferece, e ir diminuindo gradualmente o leite. Seu bebê irá indicar se ele quer mais ou se já está satisfeito. Se ele pedir mais comida, dê a ele – mas, se ele se afastar, não o force a comer.

Lembre-se de que os bebês sabem instintivamente quando estão satisfeitos e, por isso, comem apenas o que precisam. Esse autocontrole pode ser afetado quando a comida é limitada ou quando ele é forçado a comer. No início, é provável que ele cuspa a maior parte da comida que você lhe der, mas isso não significa que ele não goste dela; ele só está aprendendo a usar a língua para engolir a comida. Quando seu bebê quiser mais comida, ele abrirá a boca ou avançará em direção à colher. Se seu bebê não quiser mais comida, ele irá afastar a cabeça, fechar a boca ou chorar.

Se seu bebê tiver energia, ou se estiver ganhando peso, pode ficar tranquila: ele está recebendo calorias suficientes! Para acompanhar  o crescimento e o desenvolvimento do seu bebê, visite o seu pediatra regularmente.