Toda vez que você responde às perguntas do seu filho, você está estimulando o desenvolvimento cognitivo dele! Mais especificamente, as habilidades de raciocínio e resolução de problemas, que, segundo a Academia Americana de Pediatria (AAP), se desenvolvem entre 36 e 48 meses de idade.

banner kinedu desenvolvimento

Michelle Chouinard, psicóloga do desenvolvimento e pesquisadora da Universidade da Califórnia, decidiu estudar com mais profundidade como as crianças usam perguntas para resolver problemas. Em 2007, ela se concentrou em analisar o que as crianças perguntavam e se recebiam ou não novas informações para ajudá-las a resolver um problema. Foi pedido a um grupo de crianças de quatro anos para adivinharem o que estava dentro de uma caixa fechada. Metade do grupo foi autorizado a fazer perguntas para obter pistas, enquanto a outra metade deveria apenas adivinhar. Como você pode imaginar, as crianças poderiam se distrair de várias formas ao fazer as perguntas, mas não foi o que aconteceu. De fato, aquelas que perguntaram foram melhores em identificar o objeto dentro da caixa. Isso indica que as crianças em idade pré-escolar usam as novas informações recebidas para modificar as suposições sobre um problema e, assim, resolvê-lo.

Este estudo prova que perguntar é uma das maneiras pelas quais as crianças aprendem naturalmente sobre o mundo. Suas perguntas podem parecer aleatórias, mas, na realidade, estão diretamente relacionadas ao que as rodeia, aos estímulos que recebem e ao estágio de desenvolvimento cognitivo em que se encontram. Pouco a pouco, as questões do seu filho se tornarão mais complexas, mas você também verá que ele conseguirá tirar conclusões por conta própria, sem a necessidade de perguntar. Portanto, aproveite este momento, e lembre-se de que as perguntas que o seu filho faz são uma ferramenta muito útil que o acompanhará pelo resto da vida tanto na forma de curiosidade e resolução de problemas como nas habilidades de raciocínio conceitual.