Quando seu bebê começar a dar os primeiros passos, será impossível evitar alguns solavancos e quedas. No início, seus passos serão um tanto instáveis, mas, com a prática, seu filho começará a desenvolver o equilíbrio e a força necessários para se tornar alguém capaz de andar corretamente.

Durante esse estágio, você pode pensar que usar um andador ajudará seu filho a aprender a andar e evitar quedas. No entanto, não é assim. Ao contrário da crença popular, os andadores não ajudam os bebês a aprender a andar. Na verdade, isso diminui a vontade deles de fazer isso. Mas por quê?

– O andador substitui o tempo que seu filho deveria passar no chão. Tempo que ajuda ele a fortalecer os músculos, trabalhar a coordenação motora e desenvolver a força para carregar seu peso nos quadris e ombros e manter uma posição para engatinhar.

– Usar um andador faz com que os bebês movam seu corpo antes de estarem prontos para essa transição. Isso causa atrasos no controle muscular, padrões incomuns e dificuldade em perceber a distância dos objetos.

– Bebês que usam esses dispositivos andam apoiando nos dedos, o que estressa as pernas e interfere no desenvolvimento do processo de aprendizagem de andar.

– Os andadores também pulam o importante marco de aprendizado que é se levantar. Isso impede que os bebês desenvolvam o equilíbrio que precisam para andar e correr.

banner kinedu desenvolvimento

A Academia Americana de Pediatria (AAP) recomenda que os pais não usem os andadores. Na verdade, ela pediu a proibição da fabricação e venda deles nos Estados Unidos. Eles não só intervêm no processo de aprender a andar, mas também são perigosos. Um bebê em um andador pode se mover a uma velocidade de um metro por segundo, por isso é difícil evitar quedas, mesmo sob a supervisão de um adulto. Outros perigos potenciais são: cair de escadas, cair em uma piscina ou banheira, alcançar superfícies mais altas e pegar objetos quentes ou perigosos ou tombar ao bater em um obstáculo, como um brinquedo ou um tapete.

Um estudo publicado em 2018 na revista Pediatrics descobriu que, entre 1990 e 2014, mais de 230 mil crianças menores de 15 meses foram tratadas nas salas de emergência dos Estados Unidos por lesões relacionadas a andadores. Mesmo com as medidas de segurança introduzidas desde 1997, essas melhorias não impediram acidentes, já que os andadores ainda têm rodas e as crianças podem se mover muito rapidamente e alcançar lugares mais altos. A AAP afirma que esses dispositivos não beneficiam os pequenos e que, na realidade, atrasam o desenvolvimento das habilidades de caminhada.

Estas são alternativas melhores:

– Use um centro de atividades. Parece um andador, mas não tem rodas.

– Ofereça uma carroça ou vagão para o seu filho. Apenas certifique-se de ter uma barra para empurrar e de que o brinquedo não tombe se o seu filho se apoiar nele.

– Jardins são espaços seguros onde as crianças podem praticar as ações de engatinhar, sentar, se vestir e andar.

Quando seu filho está desenvolvendo as habilidades de caminhada, ele precisa trabalhar com uma variedade de movimentos. Se usar um andador, terá menos oportunidades de praticá-los do que se passar algum tempo no chão. À medida que ele aprende a andar com a sua ajuda, o equilíbrio dele vai melhorar. Durante essas semanas, ele começará a se mover mais rápido, portanto, fique por perto para que ele possa, a qualquer momento, se apoiar em você se sentir que vai cair. Sua paciência, amor, apoio e prática ajudarão ele a desenvolver a própria confiança enquanto aprende a parar e mudar de direção. Antes que você perceba, seu filho conseguirá se sentar e levantar de novo e de novo.