Você sabia que um em cada dez bebês nasce antes da gestação chegar a termo? Pesquisadores de todo o mundo dedicaram suas vidas a encontrar métodos não farmacológicos de intervenção precoce, como o método canguru e musicoterapia, para ajudar no desenvolvimento na primeira infância e minimizar as consequências adversas a curto e longo prazo do nascimento prematuro.

A música tem sido usada há muito tempo como terapia por seus benefícios para a saúde. Vários estudos mostram os efeitos positivos que ela tem na saúde mental. Sabe-se que reduz os níveis do hormônio do estresse, o cortisol, e é mais eficaz do que analgésicos quando os pacientes sentem ansiedade antes de uma cirurgia. Além disso, pesquisadores descobriram que ouvir música ou tocar um instrumento aumenta a produção do anticorpo imunoglobulina A e dos linfócitos T. Esse tipo de célula ataca vírus e promove a eficácia do sistema imunológico.

banner kinedu desenvolvimento

Em bebês prematuros, a musicoterapia está relacionada ao uso da música para otimizar o desenvolvimento e facilitar o apego seguro entre o bebê e seus cuidadores primários. Pesquisas com crianças prematuras sugeriram que canções de ninar acalmavam tanto os bebês quanto os pais, melhoravam os padrões de sono e de alimentação da criança e diminuíam o estresse parental.

Vários estudos demonstram que a musicoterapia, principalmente quando os pais cantam canções de ninar para seus filhos, tem um impacto sobre a ingestão de leite, ansiedade materna e saturação de oxigênio. Outras pesquisas sugerem que a musicoterapia também favorece a frequência respiratória, estabiliza a respiração e diminui a necessidade de futuras intervenções.

Pesquisadores do Centro Médico Beth Israel estudaram 272 bebês prematuros com 32 semanas de gestação e examinaram os efeitos de três tipos de música: uma canção de ninar cantada pelos pais dos bebês, uma melodia do oceano que imitava os sons da barriga e um instrumento de percussão que simulava as batidas do coração. Os resultados mostraram que os três conseguiram reduzir a frequência cardíaca dos bebês, embora a canção de ninar tenha sido a mais eficaz. O canto dos pais também aumentou o número de bebês que permaneceram alertas e silenciosos. As percussões que simulavam o batimento cardíaco promoveram o comportamento de sucção no momento da alimentação, e a melodia do oceano melhorou a qualidade do sono dos bebês. A musicoterapia pode ser muito benéfica para o seu filho e estimular o desenvolvimento do seu vínculo com ele e o apego seguro.