X
X

Celular? Tablet? Como escolher e utilizar a tecnologia com seu filho

Ajude o seu bebê a dormir melhor.

Ajude o seu bebê a dormir melhor.

X
X

Estamos no século 21 e a tecnologia está ao nosso redor! Inclusive, é a tecnologia que me permite escrever isso e você poder ler. Então, sim! A tecnologia é ótima, pois permite que nos comuniquemos e organizemos melhor nossa vida diária. Mas como a tecnologia é tão onipresente em nossa vida moderna, as crianças são expostas a ela todos os dias. Então, quais são os fatos, as orientações e as sugestões sobre a exposição das crianças às telas? Continue lendo para aprender mais!

Vamos começar com as recomendações…

A Associação Americana de Pediatria (AAP) recomenda que as crianças com menos de 18 meses evitem o uso de qualquer mídia com tela que não seja bate-papo por vídeo. Os pais que desejam introduzir uma mídia digital para crianças entre 18 e 24 meses de idade devem escolher uma programação de alta qualidade e assisti-la com seus filhos para ajudá-los a entender o que estão vendo. Para crianças de 2 a 5 anos, a recomendação é limitar o uso da tela a uma hora de programas de alta qualidade por dia. Assistir aos programas junto com eles também é muito importante, pois os ajuda a compreender o que estão vendo e a entender como aplicá-los ao mundo ao seu redor.

Alguns achados das pesquisas

– Os pesquisadores da Universidade de Londres que trabalham no projeto TABLET investigaram o uso de dispositivos com tela sensível ao toque entre crianças de 6 a 36 meses e descobriram que 99% das famílias possuem pelo menos um desses dispositivos, 97% possuem múltiplos dispositivos, e algumas têm até 14 deles. Além disso, eles descobriram que, diariamente, 51% dos bebês de 6 a 11 meses usam a tela sensível ao toque por 8 minutos, em média, e 92% das crianças de 26 a 36 meses, por 43 minutos, em média.

– Os pesquisadores da Universidade de Toronto descobriram que, aos 18 meses, 20% das crianças haviam usado um aparelho por meia hora. Os resultados mostraram que, para cada aumento de 30 minutos no tempo de tela, há um aumento de 49% no risco de atrasos expressivos na fala.

– Um artigo da AAP sobre os efeitos da televisão em crianças menores de 3 anos relatou que os programas educacionais são eficazes para ampliar o conhecimento das crianças. Eles afetam suas atitudes raciais e estimulam sua imaginação. É importante notar que este estudo focou apenas no efeito do conteúdo da televisão, e não no tempo de tela.

– A Scientific Reports publicou um estudo sobre a associação entre o tempo de tela e a falta de sono em bebês e crianças entre 6 e 36 meses. O estudo concluiu que cada hora adicional de uso de tablets estava associada a uma média de 26 minutos a menos de sono noturno.

– Os pesquisadores da Universidade de Princeton mostraram que o tempo de tela educacional adequado e apropriado para a idade pode ser benéfico para as crianças. No entanto, o relatório afirma que as crianças podem entender e aprender melhor com experiências em tempo real, em vez de vídeo.

– As evidências da Science Direct sobre como as crianças transferem a aprendizagem de uma representação bidimensional para um objeto tridimensional concluem que elas podem imitar as ações que veem na televisão (2D) usando os objetos correspondentes da vida real (3D). Embora também afirme que crianças menores de 3 anos aprendem menos com a televisão, em comparação com demonstrações ao vivo.

Gostando ou não, a tecnologia se tornou parte da nossa vida diária. Então, quais são as recomendações sobre o uso de ferramentas tecnológicas para crianças?

X
banner kinedu desenvolvimento

– Evite utilizar televisão, celulares e tablets como a única maneira de acalmar o seu filho. Embora algumas pesquisas afirmem que, em certas situações, como em aviões, esses aparelhos sejam uma estratégia útil e calmante, tente não a usar como única opção.

– Evite o tempo de tela para crianças menores de 18 meses, a menos que seja um bate-papo por vídeo**.

– Tente sempre escolher aplicativos educacionais de vídeos e, para crianças de 18 a 24 meses, assista ao conteúdo junto com elas, para que você possa ajudá-las a entender o que estão vendo.

– Limite o tempo de tela em uma hora, e tente assistir ao conteúdo junto com o seu filho, para que você possa ajudá-lo a entender como aplicar seu novo conhecimento à própria vida.

– Evite telas na hora das refeições e uma hora antes de dormir.

– Torne o tempo de tela uma atividade familiar, como um filme ou uma noite de brincadeiras. Faça perguntas sobre o que vocês estão vendo e aprendendo.

– Desligue os dispositivos quando eles não estiverem sendo usados. Evite deixar a TV ligada apenas para ter ruído de fundo.

– Seu filho aprende vendo o que você faz. Portanto, evite atender ligações ou responder mensagens enquanto brinca com o seu filho.

– A Oxford Academy Pediatrics recomenda que os pais usem o tempo de tela atentamente. Limite seu tempo de tela e priorize as interações. Escolha também o conteúdo, e preste atenção à mensagem que ele está transmitindo ao seu filho. Ajude-o a reconhecer e questionar propagandas ou outros conteúdos, ou certifique-se de que o conteúdo não tenha publicidade.

– Faça um acordo familiar sobre o tempo de tela. A AAP afirma que quando a tecnologia é usada adequadamente, ela pode melhorar sua vida diária. O conteúdo deve funcionar para você e estar alinhado ao seu estilo e valores parentais. Por isso, a AAP criou um plano de consumo midiático familiar, para ajudá-lo a se conscientizar sobre o uso de mídia para atingir o seu objetivo.

Para mais informações sobre este tema, acesse estes links (em inglês):

**O comitê da AAP reavaliou seu posicionamento em relação ao tempo de tela levando em consideração os novos avanços da tecnologia. Agora, eles concordam que banir as telas totalmente até os dois anos de idade não é necessário.

Quer receber outros conteúdos como este de graça?

Assine a nossa newsletter e faça parte da comunidade kinedu.

Artigos relacionados

bilinguismo

O bilinguismo e o cérebro

Muitos pais conhecem os benefícios que o aprendizado de mais de um idioma pode ter no futuro de uma criança.