Por que você deve conversar com seu bebê, mesmo que ele não responda?

Os bebês geralmente produzem suas primeiras palavras por volta dos 10 a 14 meses de idade. Mas nunca é cedo para começar a incentivar o desenvolvimento da fala do seu bebê. As crianças aprendem a falar dando um passo de cada vez, mas precisam de muita ajuda de seus cuidadores! O desenvolvimento linguístico não acontece da noite pro dia. Veja as atividades que separamos para você estimular o seu bebê a falar:

kinedu-developmentPowered by Rock Convert

0 a 12 meses

  • Seja um narrador: Quando estiver trocando as fraldas, cozinhando, brincando, etc. narre tudo o que você estiver fazendo ao seu bebê, em voz alta. Finja ser um jornalista, um narrador de futebol, qualquer profissão que seja necessária pra tornar esses momentos divertidos.
  • Traga diversão para todos os momentos: Brinque de esconde-esconde e outras atividades que envolvam interações de ação e reação. Mesmo que não pareça, vocês estarão se comunicando. Você estará ajudando o seu pequeno a entender a relação entre as ações e suas respostas.
  • Elogie o seu pequeno: bater palmas, sorrir e celebrar os esforços de comunicação do seu bebê são coisas que fornecem reforço positivo e o lembra de que ele está no caminho certo.

8 a 14 meses

  • Escolha um assunto: uma ótima maneira de ampliar o vocabulário do seu filho é falar sobre uma ideia específica. Por exemplo, se vocês tiverem visitado um parque recentemente, você pode iniciar uma conversa sobre parques, animais do parque e flores. Seu filho provavelmente prestará atenção rapidamente; considere incorporar recursos visuais, como fotos ou vídeos, para manter a conversa com ele.
  • Faça perguntas em que as respostas sejam “sim” ou “não”: Para desenvolver a habilidade de compreensão da linguagem, faça ao seu filho uma série de perguntas de “sim” e “não”. Seu filho precisará processar o que você está perguntando para conseguir responder. Manter a resposta simples, como “sim” ou “não”, permitirá que seu filho se concentre em entender o que está sendo dito sem precisar criar respostas muito elaboradas.
  • Crie um “pote do mistério”: Deixe o seu filho guiar a conversa. Anote algumas ideias em tiras de papel, coloque-as em um pote e escolha uma ou duas para discutir no jantar ou durante algum tempo livre. Quanto mais o assunto estiver alinhado com os interesses do seu pequeno, melhor.

Como ajudar seu filho a falar em qualquer idade:

  • Diretrizes gerais: Fale devagar e dê bastante entonação em cada palavra.
  • Repita tudo que puder: Por mais chato que pareça, os bebês precisam ouvir as mesmas palavras várias e várias vezes para processar o significado e a pronúncia delas. Por exemplo, “Você gostou do sorvete?”, “Eu gostei do meu sorvete”.
  • Ouça e responda: O que o seu bebê está falando pode até não ter muito sentido, mas mesmo palavras incompletas ou incoerentes são as formas dele se comunicar. Sempre que o seu bebê tentar se comunicar, lembre-se de respondê-lo e elogiá-lo.
  • Use música: Ouvir música é uma ótima maneira de fazer com que o seu filho aprenda novas palavras. Especialmente aquelas músicas que repetem as mesmas frases várias e várias vezes.
  • Use nomes ao invés de pronomes: Os bebês precisam de ajuda para relacionar os nomes aos objetos, Por exemplo, ao invés de dizer “Ele está tomando café”, diga “O papai está tomando café”. Da mesma forma, tente substituir “Você gosta disso?” por “Você gosta de banana?”.
  • Use o baby talk: O baby talk é uma linguagem mais simplificada, exagerando ao abrir a boca e os olhos enquanto pronunciamos cada palavra mais lentamente. Esse jeito diferente de falar com os bebês ajuda muito no desenvolvimento deles.

Conheça outras atividades para estimular o desenvolvimento linguístico do seu filho no nosso Catálogo.


Sofía Martínez é psicóloga especializada em Desenvolvimento na Primeira Infância. É instrutora certificada de yoga de meditação, e gosta de compartilhar estas técnicas com crianças e adultos. Sofía passou algum tempo trabalhando com crianças para estudar seu desenvolvimento normal, e também trabalhou com crianças com necessidades especiais para entender a individualidade de seu desenvolvimento. Ela deseja continuar estudando a primeira infância, para que o Kinedu possa escalar seu modelo para famílias de todo o mundo.