Meu filho é enjoado para comer: dicas e truques para criar um comedor aventureiro!

Variedade é um fator importante em nossas dietas, e isso inclui comer frutas e legumes. Por isso, sabendo da importância de uma alimentação saudável, ter que lidar com um filho que é enjoado para comer pode ser bastante frustrante. As refeições podem se tornar estressantes, e uma luta por poder pode surgir. Você deve estar se perguntando: “E o que posso fazer?”. Não se preocupe; continue lendo, e nós mostraremos maneiras simples para ajustar as refeições e tornar o seu filho um entusiasta da alimentação (ou, pelo menos, fazê-lo experimentar novos alimentos!)

Antes de começarmos, é importante entender como surge a “chatice” para comer. Existem diferentes teorias em torno desse tema. Segundo alguns estudos, os fatores que afetam a alimentação seletiva podem incluir pressão para comer, temperamento e personalidade, sensibilidade sensorial, genética, estilo de alimentação dos pais e até mesmo fatores específicos, como a ausência de amamentação, a falta de variedade ou a introdução tardia a diferentes texturas.

E isso não é tudo. Não vamos esquecer a terrível “crise dos dois anos”. É sabido que as crianças gostam de buscar autonomia. Isso é, na verdade, uma coisa boa, pois elas estão aprendendo a se tornar independentes, mas essa busca também pode levar à rejeição de alimentos. Isso é totalmente normal, então, não se preocupe. Aqui estão algumas dicas para ajudá-la a tentar resolver esse problema.

  • Hora do lanchinho: De acordo com a socióloga e especialista em alimentação Dina Rose, a hora do lanche é o melhor momento para ajudar seu filho a aprender a comer alimentos saudáveis. Rose propõe que sejam oferecidos, alternadamente, frutas, legumes, iogurte, bolachas e barras de cereal todos os dias na hora do lanche para adicionar variedade de nutrientes à dieta e para ajudar seu filho a comer lanches menos saudáveis ​​com moderação. Isso também permitirá que você o exponha a alimentos saudáveis – lembre-se de que pode levar até quinze exposições de um alimento específico para que o seu filho o experimente ou goste dele.
  • Meu pequeno chef: A Dra. Maya Adams, ávida defensora da nutrição infantil, aconselha as mães a levarem seus filhos à quitanda ou à seção de frutas e verduras do supermercado e pedir que eles as ajudem a escolher ingredientes para refeições deliciosas. Isso proporciona um momento fantástico para ensinar ao seu filho qual é o sabor e a aparência das maçãs, que as laranjas não nascem descascadas e que a beterraba pode “pintar” um prato. Então, ao chegar em casa, leve o seu filho para a cozinha e envolva-o nas atividades. Peça para ele misturar ingredientes ou até mesmo montar o prato, para dar a ele uma sensação de controle.
  • Modelo: Estudos mostraram que crianças pequenas têm menos probabilidade de comer legumes se suas mães não os consomem ou se acham que seus filhos são enjoados para comer. Isso nos mostra a importância de dar o exemplo, demonstrando comportamentos alimentares saudáveis, ​​e também de não rotular nossos filhos. Então mostre ao seu filho o seu amor pelos vegetais e cerque-o de pessoas que se alimentam de forma saudável. Ofereça a ele um pedaço do que você estiver comendo ou descreva o sabor. Deixe-o ficar curioso – brinque com ele e deixe um prato com cenoura cozida por perto. Assim, você aumenta a probabilidade de ele querer experimentá-la!
  • Muitas escolhas: Se seu filho não quiser comer morangos puros, por que não experimentar uma vitamina (e coá-la, se necessário)? Como afirma o Dr. Sears, existem muitas maneiras de ajudar a tornar as refeições mais gostosas e divertidas. Ofereça molhos ou pastas (iogurte, queijo cottage, pasta de amendoim) para mergulhar as frutas e os legumes. Ensine-o a espalhar essas pastas em fatias de maçã, torradas ou biscoitos. Cubra alimentos com queijo ou guacamole, ou polvilhe canela em maçãs assadas. Seja criativa e deixe seu filho “decorar” a comida do jeito dele.

Enfim, lembre-se de ser paciente e dar um passo de cada vez. As crianças estão aprendendo a interpretar e controlar seu mundo à medida que crescem, e isso pode incluir a rejeição de alimentos. Mas não desista, continue oferecendo ao seu filho uma ampla variedade de escolhas saudáveis, defina rotinas programadas, não negocie ou suborne com sobremesas, e envolva-o em todo o processo. Lembre-se de tornar a refeição divertida e manter o estresse alimentar ao nível mínimo.#

Por outro lado, se você tem medo de que seu filho não esteja crescendo adequadamente ou se ele vomita constantemente quando é apresentado a um novo alimento, converse com seu pediatra. Ele ajudará a identificar condições médicas que podem estar por trás disso, ou fornecerá um plano específico de alimentação para o seu filho.

Essas dicas funcionaram para você? Deixe o seu depoimento nos comentários! Em breve, teremos mais dicas e truques para combater a “chatice para comer” no nosso aplicativo!