Introdução alimentar: método BLW (Baby-led Weaning)

Baby-led weaning (BLW), algo como o “desmame conduzido pelo bebê”, tem se tornado uma forma muito popular de alimentar os bebês com sólidos. BLW propõe um método alternativo à introdução tradicional de alimentos complementares. Com este método, os bebês usam suas mãos para explorar a comida e se alimentar, ao invés de serem alimentados com colher e papinhas.

Continue lendo

Como organizar uma tarde de brincadeiras com os amigos do seu filho

Se você está pensando em organizar uma tarde de brincadeiras… Parabéns! Isso significa que você está dominando a troca de fraldas e a alimentação. Esperamos que você também esteja conseguindo dormir um pouco e tomar banho todos os dias!

É possível que você tenha muitas perguntas sobre a tarde de brincadeiras: “Será que o meu bebê está pronto?”; “Quanto tempo deve durar?”; “O que eu devo ou não devo fazer?”. Não se preocupe, nós vamos compartilhar algumas dicas e esclarecer todas as suas dúvidas!

Você pode começar agora mesmo!

Se você tem um bebê, a tarde de brincadeiras tende a ser mais para as mães. É importante encontrar mães com quem você possa interagir, para que você possa conversar sobre a rotina diária, a amamentação ou a mamadeira, e até mesmo compartilhar histórias engraçadas ou não tão engraçadas. Não se preocupe, elas entenderão, já que estão na mesma situação que você. Durante essas tardes de brincadeiras, os bebês podem se beneficiar da exposição a novos brinquedos, a um ambiente desconhecido e até mesmo a outro bebê deitado ao lado deles, mesmo que durmam a maior parte do tempo.

Com quem devo organizar esses encontros?

As melhores mães para as tardes de brincadeiras são as suas amigas – você se sentirá mais confortável em suas casas e vice-versa. Mas, se as suas amigas ainda não tiverem filhos, tente entrar em um grupo de brincadeiras on-line ou faça uma aula que envolva mamães e bebês para fazer algumas amizades com outras mães. Se você mora nos Estados Unidos, tente mops.org ou um site semelhante para participar de um grupo em sua cidade. Lembre-se que, se você não se sentir confortável com seu grupo de brincadeiras, você pode estar no grupo errado. Os encontros devem ser bons para você e para o seu filho.

O que devo evitar?

  • Muita estrutura: Mantenha-a simples! Os planejamentos são bons, mas tente não complicá-los demais, como ir ao zoológico e depois correr para almoçar em um restaurante. Lembre-se de que estar com crianças pequenas pode ser um pouco imprevisível. Se você estiver calma e relaxada, as crianças vão perceber isso.
  • Ficar mais tempo do que o necessário: se você tem um bebê ou uma criança pequena, uma hora é o tempo ideal para brincar. Se o seu filho for mais velho, uma ou duas horas são um tempo razoável e, em caso de dúvidas, é melhor ir embora: sempre haverá outras oportunidades para brincar.
  • Quantas crianças? Se você for a anfitriã, comece com um amiguinho. Primeiro de tudo, para ver como funciona e o quão caótico esses encontros podem ser. Desta forma, ninguém ficará para trás, e existe uma chance de que a tarde de brincadeiras seja tranquila. Algumas mães dizem que, com quatro crianças, o encontro vira uma festa caótica. Mas há algumas exceções: se o seu filho for um pouco maior, quanto mais crianças, melhor! Lembre-se, essas tardes de brincadeiras são geralmente para os pais.

Como acabar com os soluços do seu bebê

Todos nós estamos familiarizados com os soluços. Todos nós os experimentamos de tempos em tempos. No entanto, a maioria dos pais de primeira viagem tende a se preocupar quando seus recém-nascidos ficam com soluços, porém eles não devem ficar preocupados – os soluços são muito comuns em bebês com menos de um ano de idade.

De fato, a maioria dos pais pode não saber disso, mas seu filho provavelmente já tinha soluços desde que estava no útero! Eles provavelmente começaram a aparecer em torno do sexto mês da gravidez, quando os pulmões estavam se desenvolvendo.

O que causa soluços em recém-nascidos?

Soluços são geralmente causados ​​por um estômago cheio, pela ingestão de ar durante a alimentação, ou por uma mudança súbita de temperatura. É importante notar que eles não costumam incomodar o bebê.

O que você deve fazer se seu recém-nascido tiver soluços?

Primeiramente: não se preocupe e tente relaxar. Os soluços não são perigosos para o seu bebê. Você pode tentar fazê-lo arrotar, mas é provável que você só tenha que esperar. Confira algumas dicas que você pode experimentar em casa:

1. Deixe seu bebê arrotar
Para se livrar dos soluços do seu bebê, tente fazer uma pausa na alimentação para fazê-lo arrotar. Isso pode ajudá-lo a se livrar dos gases que podem estar causando os soluços. Isso também irá fazer com que seu bebê fique na posição vertical, o que é muito útil! Na verdade, a Academia Americana de Pediatria (AAP) sugere que você faça pausas para o seu bebê arrotar a cada 50 ml de leite que ele ingerir. Dica: quando seu filho arrotar, lembre-se de esfregar ou dar tapinhas leves nas costas dele.

2. Deixe acontecer naturalmente
Frequentemente, os soluços dos bebês param por conta própria. Se eles não estão incomodando seu bebê, então você pode simplesmente deixá-los seguir seu curso. Se você não interferir e os soluços do bebê não pararem sozinhos, informe seu médico.

Quando você deve se preocupar com os soluços do seu bebê?

Os soluços são considerados normais em bebês que ainda não completaram um ano de vida (ou que ainda estão no útero).

No entanto, você deve conversar com seu médico se:

  • Seu filho tem soluços com muita frequência;
  • Ele fica chateado ou agitado quando soluça;
  • Os soluços estão perturbando o sono dele;
  • Os soluços continuam aparecendo depois do seu primeiro ano de vida.

Como evitar os soluços?

A verdade é que as causas dos soluços dos bebês nem sempre são claras e, por isso, é difícil evitá-los completamente. No entanto, aqui estão algumas dicas que podem ajudá-la:

  • Certifique-se de que seu bebê esteja calmo quando você for alimentá-lo.
  • Não espere até que seu bebê esteja com muita fome, a ponto de começar a chorar ou ficar chateado quando for começar a se alimentar.
  • Evite brincar muito ou deixá-lo muito agitado depois das refeições.
  • Mantenha seu bebê na posição vertical por 20 a 30 minutos depois de cada refeição.

Por que você deve manter algumas práticas durante a criação dos seus filhos?

A mudança faz parte da nossa natureza! Vivemos em um mundo em constante mudança, onde aprendemos a nos adaptar a novas situações e ambientes. À medida que descobrimos e experimentamos coisas novas, nossas práticas parentais e crenças culturais mudam conosco.

A experiência nos ensinou que algumas práticas sociais ou parentais antigas não são tão boas para nós, por isso nos esforçamos para mudá-las completamente. Mas, e as questões que ainda não conseguimos responder? Ou os conhecimentos errados que achávamos que eram certos? Um estudo recente mostrou que algumas práticas e crenças culturais do passado eram, na verdade, muito boas, e que não devem ser abandonadas, pois são necessárias para o desenvolvimento saudável do cérebro.

Os bebês nascem com necessidades, já que seus cérebros ainda não se desenvolveram por completo. Darcia Narvaez, professora de psicologia especializada em moralidade e desenvolvimento cerebral, afirma que a maternidade ancestral envolvia a amamentação, a responsividade, o toque, a brincadeira e o parto natural. Estudos demonstraram que todas essas práticas têm impactos positivos no desenvolvimento cerebral das crianças. Por exemplo, a amamentação fornece nutrientes e ajuda a fortalecer os laços afetivos entre a mãe e o bebê. A brincadeira é uma forma essencial de aprendizagem e expressão, que ajuda os bebês a desenvolverem o autocontrole e as habilidades sociais. E o toque, como forma de linguagem, influencia o desenvolvimento da empatia e do autocontrole. O problema é que abandonamos algumas dessas práticas parentais, já que nossas crenças culturais ou contemporâneas mudaram e, assim, nosso comportamento em relação às crianças mudou também.

De acordo com Narvaez, a criação moderna e “as práticas e crenças inadequadas, como o uso de fórmulas infantis ou o isolamento de crianças pequenas”, podem ter um impacto negativo no desenvolvimento cerebral da criança. Atualmente, cada vez menos mães têm optado por amamentar, as crianças não podem brincar tanto, e os bebês têm passado mais tempo em carrinhos ou cadeirinhas de carro do que no colo dos pais. Nossos comportamentos foram moldados por crenças culturais como “não responda imediatamente ao choro de um bebê, pois ele pode ficar mimado”, quando, na verdade, isso é um mito. A responsividade é importante nas primeiras experiências de vida, pois ela pode determinar as habilidades sociais futuras, o estilo de apego e o bem-estar emocional do seu filho.

A mudança é inevitável! Porém, nós ainda podemos manter algumas das práticas educacionais valiosas do passado. Os bebês precisam de pais responsivos e carinhosos para terem bem-estar emocional e um desenvolvimento saudável. O estudo demonstrou uma ligação entre algumas práticas parentais modernas, como a falta de amamentação e de responsividade, e um impacto negativo no desenvolvimento do cérebro. Temos visto um aumento na depressão, na ansiedade e no comportamento agressivo de crianças e adultos. Se quisermos um futuro melhor para as próximas gerações, teremos que seguir algumas das práticas parentais de antigamente, já que elas fazem parte do desenvolvimento das crianças.