A diástase pós-parto é algo muito comum e que afeta a qualidade de vida de muitas mulheres. A boa notícia é ela que tem tratamento.

Uma das preocupações das gestantes em relação ao próprio corpo é a diástase pós-parto. Você sabe exatamente o que é isso? A condição, que afeta grande parte das mulheres que já passaram por uma ou mais gestações, afeta não somente a estética, mas também a qualidade de vida.

Se você é tentante, está grávida ou já teve o bebê, é importante que saiba mais sobre o assunto para conseguir identificar o problema e buscar soluções. Pensando nisso, trouxemos, neste post, tudo o que você precisa entender sobre o tema. Continue a leitura e confira!

O que é diástase pós-parto?

A diástase retal, como também é chamada, é a separação parcial ou total dos músculos abdominais. Sabe o famoso tanquinho? Pois bem, os músculos da região se separam, o que pode gerar um abaulamento, já que aquela parte fica sem sustentação.

Essa condição é muito comum durante e após a gestação, pois, com o crescimento do útero para acomodar o bebê, os músculos do abdômen se alongam. Um estudo mostrou que até 60% das mulheres podem apresentar a diástase em algum momento da gravidez ou no pós-parto.

Mulheres que esperam mais de um bebê na mesma gestação têm maiores chances de apresentar a diástase, por conta do esticamento da barriga para acomodar os filhos. Além disso, as mamães de segunda ou mais viagens também têm mais chances, pois os músculos já se alongaram antes.

O fator genético conta muito. Mulheres cujas mães tiveram diástase pós-parto têm maior probabilidade de ter o problema. Aliás, você sabia que a diástase retal não afeta somente as gestantes? Mulheres que nunca gestaram e homens também podem ter.

Quais são as causas da diástase pós-parto?

A diástase pós-parto ocorre por causa da pressão abdominal interna que os músculos abdominais e os tecidos conjuntivos sofrem com a expansão do útero. Além disso, a força para empurrar durante o parto também pode levar ao problema. Aliás, essa separação abdominal é algo esperado durante e após a gravidez.

Antigamente, o peso antes e durante a gestação, o peso do bebê e a idade da mulher eram considerados fatores de risco para a diástase. Entretanto, por falta de evidências que pudessem confirmar essa ideia, isso não é mais levado em conta.

Quais são os sintomas de diástase e como identificar o problema?

O principal sintoma de diástase é uma saliência na região do estômago, principalmente quando a pessoa contrai ou tensiona os músculos abdominais. Além disso, dores na região lombar, constipação e inchaço também podem indicar o problema. A seguir, veja como você pode verificar a condição.

Gravidez

Como dissemos, a diástase pode aparecer ainda durante a gestação, mas pode ser que não apareça nenhum sintoma tão perceptível assim. Entretanto, no segundo ou terceiro trimestre de gravidez, é possível ver uma protuberância acima e abaixo do umbigo, que pode ser ainda mais visível quando se força os músculos abdominais, como para ficar em pé, sentar ou deitar.

banner kinedu prenatal ptPowered by Rock Convert

Vale dizer que se a gestante sentir qualquer dor muito forte na região do abdômen ou da pelve, é preciso buscar ajuda médica.

Pós-parto

Já no pós-parto, é possível perceber uma protuberância na região do abdômen. Sabe quando a mulher ainda parece grávida, mas já pariu o bebê? Então, esse abaulamento da barriga pode ser a diástase. Há uma maneira de fazer uma autoavaliação.

Deitada de costas, com as pernas dobradas e com os pés apoiados no chão, levante um pouco o tronco, como se fosse fazer um exercício abdominal. Em seguida, coloque a mão entre os músculos abdominais — para isso, imagine uma linha vertical que começa entre as costelas, passa pelo umbigo e vai até a pelve.

Se você sentir uma lacuna de um ou dois dedos, é bem provável que tenha a diástase, mas em um estágio moderado. É importante dizer que somente o médico ou o fisioterapeuta podem fechar um diagnóstico. Portanto, se você acha que pode ter o problema, busque ajuda profissional.

Como prevenir o problema?

Infelizmente, alguns dos fatores de risco para diástase abdominal estão fora de qualquer controle. Entretanto, se os músculos abdominais forem fortes, menores as chances de desenvolver o problema, já que eles conseguem resistir melhor à separação.

Sendo assim, uma boa ideia é fortalecer os músculos da região abdominal antes mesmo da gravidez. No caso das gestantes que ainda não têm diástase, é importante buscar ajuda de um educador físico para orientação de exercícios adequados para elas.

Além disso, se no último trimestre de gestação o abdômen parecer solto, é interessante considerar a utilização de faixa abdominal. Esse acessório oferece um suporte para a barriga, o que ajuda a não alongar tanto os músculos.

Quais as consequências da diástase abdominal?

A diástase pós-parto não é apenas uma questão estética, como algumas pessoas podem pensar. Ela causa alguns outros problemas que podem comprometer a qualidade de vida da mulher. A seguir, confira algumas das complicações:

  • dores nas costas e na pelve;
  • problemas posturais;
  • disfunção do assoalho pélvico;
  • dificuldade em pegar objetos mais pesados;
  • hérnias, em casos mais graves.

Como tratar a diástase pós-parto?

A diástase pós-parto pode ser fechada com ajuda especializada de um fisioterapeuta. O profissional indicará exercícios para corrigir o problema.

Entretanto, se o caso for grave, pode ser necessário recorrer à cirurgia. Durante o procedimento, o cirurgião costura os músculos, resolvendo a questão. Além disso, é possível fazer uma abdominoplastia para remover o excesso de pele abdominal, caso tenha.

Como você pode ver, a diástase pós-parto é algo comum e que atinge muitas mulheres. Por isso, se você apresentar a condição, não se sinta diferente ou culpada. Busque ajuda profissional para tratar o problema, principalmente se a sua qualidade de vida for afetada.

Gostou do nosso post? No aplicativo Kinedu, você encontra centenas de artigos e atividades sobre gestação e desenvolvimento infantil. Baixe GRÁTIS o app aqui.