É recomendado que a introdução alimentar, ou seja, o acréscimo de alimentos à dieta do bebê, comece apenas após os 6 meses. Confira algumas dicas!  

Muitas são as dúvidas que surgem na hora da introdução alimentar na dieta de seu bebê. Com quantos meses posso inserir uma alimentação complementar para meu filho? Quais alimentos dar e quais não são indicados? Qual é a melhor maneira de prepará-los?

Sem dúvida, o leite materno e os alimentos oferecidos à criança em seus primeiros meses de vida são responsáveis por prevenir doenças e colaborar para um desenvolvimento saudável do bebê. Assim, esse é um tema relevante que precisa ser de conhecimento dos pais e cuidadores.

Quer saber mais sobre o assunto e garantir uma boa alimentação para seu filho? Confira o artigo que preparamos para você!

Qual a melhor idade para inserir alimentos na dieta do meu filho?

Como o leite materno é essencial para o desenvolvimento pleno do bebê, muitas vezes existe um receio na hora de acrescentar outros alimentos em sua dieta diária.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de vida do bebê, sem adicionar água ou chás. A partir dos 6 meses, é indicada a alimentação complementar, mas sem interrupção do aleitamento, que é recomendado até os 2 anos de idade — de acordo com a vontade e as condições do filho e da mãe.

Quais alimentos podem ser oferecidos e quais é melhor evitar?

Há uma grande preocupação quanto aos alimentos que podem ser oferecidos para os bebês. O ideal é que no princípio o bebê seja apresentado a um alimento por vez, para que ele se familiarize ao sabor e que alergias possam ser detectadas com mais facilidade. Geralmente começamos oferecendo frutas e depois acrescentamos outros alimentos. 

Uma alimentação equilibrada, colorida e rica em nutrientes diversos é a mais indicada. O ideal é que a refeição contenha no mínimo um alimento do grupo das hortaliças, leguminosas, carnes e cereais ou tubérculos.

banner kinedu alimentação bebê

Refeições com adição de açúcar, sal, gordura trans e o consumo excessivo de proteína e carboidratos simples são totalmente desaconselhados e podem trazer riscos futuros para a saúde da criança.

Como preparar esses alimentos?

Na hora de preparar os alimentos, é importante ter o máximo de higiene e cuidado para sua conservação. Eles devem ser preparados em locais limpos e em porções pequenas, e o mais indicado é que seu consumo seja imediato. Se houver necessidade de armazenamento, a refeição precisa ser bem fechada e resfriada, se for o caso.

As frutas, verduras e quaisquer alimentos que forem oferecidos para o bebê a partir dos 6 meses precisam estar em forma de papa e amassados, tendo o cuidado de não peneirar ou liquidificar, pois isso faz com que os alimentos percam suas fibras.

Dos 9 aos 11 meses, a comida pode ser oferecida em forma de pedaços para, só aos 12 meses, ser dada da forma como consumimos normalmente.

O que é o método BLW?

Existe um método de introdução alimentar chamado Baby-led Weaning (BLW), que vem sendo estudado e tem demonstrado resultados positivos para os bebês.

Ele consiste em deixar a criança sentada em uma posição ereta diante de variados alimentos que possam ser facilmente experimentados de forma autônoma.

Uma crítica feita ao método é que, quando utilizado de forma única, a criança pode mais brincar com os alimentos do que os ingerir. Por isso, também se indica que esse método seja combinado com outros meios de nutrição. Vale ressaltar que é indispensável que o pediatra de seu filho seja consultado sobre o assunto.

Procurando fazer o melhor por nossos filhos acabamos tendo alguns receios e dúvidas na hora da introdução alimentar. Contudo, a mudança da alimentação é importante e, se feita com cuidado e atenção, pode proteger seu filho até a idade adulta.

Gostou de saber mais sobre o tema e quer dividir as informações com outras pessoas? Compartilhe nosso artigo em suas redes sociais!